terça-feira, 9 de junho de 2009

Michael Milken - Gênio do mercado e criador do junk bonds


Uma história polêmica, mas que não deixa de ser interessante.

Por: Roberto Altenhofen Pires Pereira




SÃO PAULO - Michael Milken alimentou uma geração de investidores na década de 1990 que ajudou a popularizar o mercado financeiro. Os anos se passaram, e a imagem idolatrada por milhares de yuppies acabou manchada pela justiça norte-americana.

Personagens do mercado desta vez conta como Milken criou o mercado de junk bonds, seus atritos com as autoridades e algumas sacadas geniais que até hoje o garantem entre as maiores fortunas do mundo segundo a revista Forbes.

Milken parecia tudo o que a geração yuppie representava. Sua habilidade inegável como financista o fez mito em Wall Street, sendo reconhecido como o profissional melhor remunerado do mercado em meados de 1985. Calcula-se que, entre salários e bônus, Milken recebeu mais de US$ 1 bilhão entre 1984 e 1987.

Junk Bonds

Milken encontrou uma maneira de empresas próximas à falência conseguirem levantar recursos que nunca imaginariam conseguir com grandes bancos da época. Companhias com elevado grau de endividamento e que vinham de prejuízos consecutivos viam na ascensão dos junk bonds uma saída para sobreviver; mais do que isso, acumular lucros inimagináveis.

Grosso modo, a proposta era lançar títulos que ofereciam elevada rentabilidade, mas de alto risco. Os recursos obtidos com o lançamento dos "títulos podres" eram emprestados para empresas que encontravam dificuldades de crédito.

Com os aportes, estas companhias experimentavam forte valorização, cujas ações garantiam retorno para os investidores. Com o boom dos junk bonds, o financista ganhou os holofotes. Sua empresa passou a movimentar bilhões de dólares, fator que acabou chamando a atenção das autoridades. Por si só, a operação dos junk bonds não trazia nada de errado; tanto que movimenta bilhões até os dias atuais.

Prisão e perseguição

Mas se a operação em si não tinha nada de errado, o mesmo não pode se afirmar da atuação de Milken. Ele acabou acusado de manipulação das bolsas, de operar com informações privilegiadas, fraude e sonegação de impostos. Aos poucos, os próprios operadores de Milken confidenciaram seus delitos em troca de um abrandamento de suas penas.

Na época, um promotor de Nova York acabou ganhando fama por tratar do caso Milken e sua gana por perseguir o personagem de Wall Street: Rudolph Giuliani, que posteriormente viria a ser eleito prefeito de Nova York.

Inspiração a Hollywood

Milken foi sentenciado a 10 anos de prisão, cumprindo apenas dois anos e voltando à liberdade em 1993. Ainda assim, é impedido de atuar no mercado financeiro. Mas algumas ideias de Milken seguem rendendo frutos ao "junk bond king".

Uma das principais sacadas do investidor foi apostar no crescimento do segmento de educação, cujas ações ainda o rendem milhões. A habilidade de Milken em identificar oportunidades de negócio o colocou ainda como gestor das fortunas de algumas celebridades norte-americanas e conselheiro de negócios memoráveis, como a fusão da CNN com o grupo Time Warner.

O diretor Oliver Stone chegou a confidenciar que seu longa-metragem Wall Street, interpretado por Michael Douglas, traça um paralelo com a carreira de Michael Milken.

Década da ganância

Algumas ações do junk bond king tentam mudar sua imagem nos mercados, outras insistem em associá-lo a um lado mais sombrio de Wall Street.

Após descobrir que sofria de um tipo raro de câncer de próstata, Milken doou mais de US$ 1 bilhão para pesquisas de medicina, incluindo estudos sobre o vírus HIV, câncer de mama e mal de Alzheimer. Posteriormente, pediu perdão ao então presidente Clinton, que negou a solicitação. Voltou aos noticiários no início deste ano, estendendo o pedido de perdão a George W. Bush, em seus últimos dias de governo. Não conseguiu.

Além de ser lembrado pela filantropia, Milken responde pelo lema da geração de yuppies, dos gananciosos jovens que trabalhavam no mercado financeiro em Nova York na década de 1990, gostavam de ostentar e operavam para acumular seu primeiro milhão antes de completar 30 anos: "Greed is good"; ganância é bom, na tradução literal.

2 comentários:

empreendedorismo disse...

Esse cara é d+ queria saber dfo que ele sabe sobre o mercado,não vejo a hora de investir na bovespa mas por enquanto vou estudar ,flw que tenho que ir pro meu tecnico

Obs.Otima reportagem.Abraço

Fernanda! disse...
Este comentário foi removido pelo autor.