quarta-feira, 2 de abril de 2008

Iniciativas "sustentáveis"

Temos ouvido muito - e como nunca - sobre meio ambiente, sustentabilidade e o impacto da humanidade sobre aquecimento global. Se tem uma coisa certa nisso tudo, é a incerteza das afirmações sobre a culpa do homem nessa história. A pouco tempo, um grupo de cientistas "céticos" - e é claro, PHDs - se reuniram para juntar estudos que sugerem que o atual aquecimento não é motivo de alarde.

- O homem despeja, aproximadamente, 6,5 toneladas de gás carbônico na atmosfera. A natureza, por sua vez, através de processo naturais dos mares e da terra, despeja entre 150 e 200 bilhões de toneladas do mesmo.

- Apontam o gás carbônico como o culpado pelo aquecimento global. Porém, esquecem que, na verdade, é o vapor d´água o gás que responsável por 98% do efeito estufa.

Sendo o homem culpado, ou não, é fato que as ONGs e os consumidores finais estão cada vez mais preocupados com os produtos aos quais consomem. E tem muita gente aproveitando essa história pra ganhar dinheiro. O exemplo de Rodrigo Derdyk, que tem apenas 26 anos (Gente, o cara só tem 26...), é um deles:

Rodrigo Derdyk

Diretor da Nemus, especializada no plantio de florestas de teca e eucalipto.
Recentemente, o Brasil se transformou num dos alvos de um movimento que tende a crescer: o da busca dos investidores estrangeiros por florestas plantadas. Seduzidos pelas grandes extensões de terra disponíveis, condições climáticas favoráveis e alta tecnologia, eles devem injetar 2 bilhões de dólares no país nos próximos cinco anos. Desse montante, cerca de 150 milhões de dólares já têm dono. Eles pertencem à Nemus, pequena empresa com sede em Cuiabá, em Mato Grosso, que, ao se especializar no plantio da teca e do eucalipto para a indústria moveleira, conseguiu atrair como sócio o fundo de investimento europeu Phaunos. Hoje, a Nemus possui 2 530 hectares de florestas de teca e de eucalipto. Com os recursos do fundo, que serão investidos nos próximos dois anos, essa área será multiplicada por 15. A teca é hoje matéria-prima para móveis de alto padrão, vendidos na Ásia e na Europa, e o valor do metro cúbico pode chegar a 3 000 dólares no mercado internacional -- o mogno, principal concorrente, custa 30% menos. Mas não é só o crescente preço da madeira, impulsionado pelo consumo de países como China e Índia, que desperta o interesse dos investidores. "Há oportunidade de outros ganhos", diz o administrador paulista Rodrigo Derdyk, que, com apenas 26 anos,é o principal executivo da Nemus. Explica-se: as florestas captam gás carbônico e, no futuro, poderão render créditos de carbono.

3 comentários:

Nayara Deyse disse...

oiiii
Vi um comentário teu no blog da milena e resolvir fuçar teu blog... e gostei, no seu perfil tem dizendo que vc gosta sempre de aprender coisas novas e gostei disso...
Afinal nós seres humanos temos que aprender sempre sobre tudoo...
Vou linkar vc no meu blog...
beijão...

Mary West disse...

Olá! Bem eu até escrevi sobre isso uns dias atras, falando sobre como aquela lei dos 3R(Reduzir, reciclar e reaproveitar) influenciam positivamente para o nosso planeta. Pena q naum é todo mundo que gosta de ter consciencia ;)

Nayara Deyse disse...

oiii
valeu pela retribuição da visita...
Sinto muito pelo seu amigo que teve que abandonar vcs!!
Eu tb perdir um irmão, esse mês está fazendo 3 anos num acidente de moto :( eu sei o que é passar por isso...
E depois desse triste acontecimento. Eu descobrir dar valor a coisas simples,e aproveitar cada momento como se fosse único... pois da vida o que levamos são as lembranças, nada mais que isso,por isso que temos que aproveitar todos os momentos!
beijoss